adormecer ao estilo piloto de testes

Standard

Hoje utilizei todas as técnicas conhecidas pela humanidade para adormecer e dormir e outras tantas mais desenvolvidas por mim.

Engoli um comprimido. Apaguei a luz e afaguei a cabeça na almofada de padrão florido – ainda primavera. Fechei os olhos. Iniciei a preparação para o relaxamento. Pensei… pensei que estava debaixo de uma palmeira embutida na areia que traçava na areia uma elegante sombra sobre uma cadeira de praia na qual moi estava refastelado a ler um livro enquanto era embalado pelo som e cheiro da brisa marinha. Já sentia o cérebro a abrir as portas para Morfeu. Ah! a doce sensação de desprendimento invadia o quarto… bem-vinda!

Tudo corria bem. O vento desfraldava as velas com constância. A viagem antevia-se prometedora até pensar o quanto seria divertido se de repente a água do mar congelasse (não impliquem com a impossibilidade científica; estava a preparar um sonho, ou, melhor dizendo, o preâmbulo de um sonho) e todas as pessoas seriam fatiadas pelo gelo: as que estavam a banho, a surfar, a arrancar mexilhões; enfim todas as pessoas envolvidas com o mar de qualquer forma. Sangue, entranhas por todo e qualquer lado, crianças a chorar – desespero total. Resultado, acordei sem estar a dormir. O que se passou com o comprimido para não actuar dentro do tempo regulamentar: dez segundos, o limite para castrar pensamentos parasitas.

Acendi a luz e olhei para dentro do copo para confirmar se continha água. Estava vazio. Confirmei que tinha bebido a água, mas fiquei na dúvida se a acompanhei com o comprimido. Deveria arriscar tomar outro? Assumindo que o meu organismo já tinha absorvido um. Decidi-me pelo não. Não porque tinha receio do que me poderia acontecer com a toma de dois comprimidos, mas sim porque não me apetecia ir à cozinha encher o copo com água. E se afinal o problema não estava na medicação, mas na minha cabeça. O que se passa comigo? foi a segunda questão que coloquei. Sou realmente um máximo a colocar questões.

Duas questões. Zero respostas. Ganhou o inquisidor. Insónia foi a ordem do dia. Encerrada a sessão.

the ironic fantastic #3 no cadernos de daath

Standard

É com imenso orgulho que vejo referido no blog do meu escritor português de eleição, David Soares, algumas palavras sobre a revista editada por mim, The Ironic Fantastic #3.

São demonstrações como estas que compensam o pesadelo que foi editar este número. Obrigado.

14951

sepulturas dos pais

Aproveito para publicitar a capa de «Sepulturas dos Pais», escrito por David Soares e desenhado por André Coelho. Uma edição da Kingpin Books, com lançamento previsto para 25 de Outubro, no Amadora BD.

a transformação

Standard

Hoje pela madrugada dentro estava com os pés completamente gelados e o resto do corpo a tremer que nem decrépitas bandeiras de Portugal penduradas nas varandas ao sabor do vento. Quando o frio começou a subir pelas canelas e a alastrar pelos membros inferiores temi pela saúde do meu pénis e dos meus exuberantes testículos.
Estaria a transformar-me em vampiro? Claro que no clássico vampiro que pede licença para entrar em casa e não aquele que come vegetais ou anda à luz do dia. Um dos motivos que me leva a adorar os vampiros é esta refinada educação. O vosso deus, por exemplo, está em todo o lado e nem pediu permissão para estar neste preciso momento a ler o que estou a escrever por cima dos meus ombros.
Esta ideia romântica de transformação foi afastada pela resposta da minha mais-que-tudo, após ter bocejado um arrepiado “Estou cheio de frio e a tremer. O que se passa?”. “Olha que eu estou cheia de calor.” foram as suas palavras jocosamente apunhaladas nos meus ouvidos.

Assustei-me.

Estaria a minha energia vital a ser sugada? Passados estes anos todos seria a minha companheira de cama uma real Sil? Uma parasita cibernética do planeta “estou-realmente-lixado-da-cabeça“?
“Agora é que não me safo”, sussurrei para a minha almofada.
Senti uma mão a penetrar-me nas costas, a subir até ao pescoço e a dizer “Estás cheio de febre.” A mão e corpo saiu da cama e foi para a cozinha preparar qualquer poção diabólica ao melhor estilo de chá de Santo Daime. Soube isto quando me foi oferecido um copo de líquido branco e efervescente com um irritado “toma isto e vê se me deixas dormir”. Bebi calado e bem caladinho. Não me lembro de adormecer.

Acordei. A fêmea alfa já não estava na cama. Teria sido tudo um pesadelo?

aventuras penianas

Standard

Quando me foi realizada a vasectomia o médico e toda uma imensa equipa tiveram o privilégio de besuntar os olhares na minha pujança peniana. O médico e um enfermeiro tiveram até a lúbrica oportunidade de agarrar em primeira mão o meu aparelho sexual.

Hoje lá terei por outros motivos de me submeter aos olhares e dedos de outro médico; e quando penso nisso pergunto-me ‘onde param as urologistas?’ – hibernaram? não existem? Será que terei alguma vez oportunidade de ser clinicamente examinado por uma médica. Acho que este é o desejo de felicidade médica suprema de qualquer homem, tenho receio, às vezes, seja um pesadelo camuflado de sonho?

wolverine: hauntings

Standard

Esta história, publicada na revista Marvel Comics Presents n.º 99 e 100, com Wolverine, Nightmare, Ghost Rider e Doctor Doom, com desenhos de Jim Valentino é uma história singular, mas que prima pela qualidade das ilustrações.

wolverine, hauntings

“Tormentos”, na tradução, foi lida na revista Wolverine n.º 38 pela Abril Jovem em 1995.

ck

Standard

Para quem tem andado distraído já estamos em 2010 e está tudo igual. Quase tudo. Exceptuando a destruição das minhas cuecas CK que exibia orgulhosamente num dos meus sonhos.

Nunca mais sonhei comigo mesmo enquanto vestia CK. É um pouco aborrecido não ter condições de controlar os meus sonhos. Seria óptimo fazê-lo tendo em conta que já não controlo a minha vida real. Seria um avanço. Pois os meus rebentos 3+12 descontrolam a minha existência diária, semanal, anual… e com aquele pedaço divinal de têxtil sentia-me diferente…