sons of man

Standard

O meu livro Sons of Man já está disponível para compra. É editado pela Black Scat Books; com prefácio de Mercie E Silva.


Nota de lançamento.
Esqueçam a Mona Lisa, o tema da pintura clássica de René Magritte, Le fils de l’homme (1964), foi transformado em um icónico everyman  – forçado a enfrentar as forças da vida contemporânea.

O artista português Paulo Brito reanima a misteriosa figura numa série de colagens satíricas que não esquecerá em breve.

O futuro do Dada está aqui!

 

Clique aqui para o comprar

le fils de l’homme – rose

Standard

Outra versão da pintura “Le Fils de l’homme” (1964) de René Magritte – uma das pinturas modernas que mais admiro.
“L’Homme au chapeau melon” (1964) é mais uma pintura que esconde a face de um homem com uma pomba branca que voa da esquerda para a direita. Outra pintura de René Magritte que esconde a cara não de um homem, mas de uma mulher é a “La Grande guerre” (1964).

Ceci n’est pas une pipe, outra pintura de René Magritte, é um clássico do surrealismo.

ceci n'est pas une pipe

le scat noir #220

Standard

O número 220 de Le Scat Noir (edição de Abril) supera-se e eleva uma vez mais a fasquia da exigência. Tem sido um projecto audacioso, que com ousadia e coragem comprova que o absurdo está vivo e recomenda-se

Black Scat Books está continuamente de parabéns. O número desta edição pode ser obtido neste link.

black scat review #17

Standard

Yes, Virginia, Black Scat Review does DADA FORGERY. But is it anti-art?

You be the judge.

#17 is loaded with incendiary art & texts by Captain Anonymous, David Moscovich, Tristan Tzara, Anna Keeler, Christy Sheffield Sanford, Karl Waldmann, Ruth Crossman, Norman Conquest, Paulo Brito, Harry McCullagh, Michael Leigh, Gregory Autry Wallace, Eîlot Tuerie, Terri Lloyd, Doug Skinner, and Joseph Heathcott.

This is the last issue of BSR and a fitting finale it is. Don’t miss this one, folks, it’s destined to wind up a collector’s item on the ash heap of art history.
from Black Scat Books

Aqui está outro excelente número da Black Scat Review. A minha contribuição foi feita na forma de duas brincadeiras visuais.