a satisfação

Standard

Deitado de costas, braços atrás da cabeça, apoiado por uma almofada, olhava para um lindo pénis, se não for o próprio a pensar isso quem seria, certo?, ali ao alcance da mão, que à menos de 13 segundos tinha ficado mais que saciado, ainda teso, impaciente a bolsar esperma, perpendicular ao umbigo, sabendo que a satisfação de o ver em breve terminaria quando a tumescência falhasse; mas até isso acontecer admirava-o.

Agora, com um riacho de esperma a escorrer pela haste, apostava para que lado ele iria inclinar-se: esquerda? direita? esquerda? em frente? Finalmente, em placidez, lá foi a definhar descaindo para a direita até deixar de ser visto.

A muralha pança continuava a ser um grande obstáculo corporal. Valia-lhe o vidro do guarda fatos que à sua esquerda, ainda, o deixava admirar o membro em perfil.

Anúncios

deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s