intermundo

Standard

– Eles têm mesmo uma masmorra de escravos? – perguntou Seymour.
– Claro. De que servem escravos sem uma masmorra?

Eu, Klox tudo que vê (quase), que tudo sabe (por vezes), quase omnipotente (em certas ocasiões muito circunscritas), avanço em direcção ao meu destino. Naturalmente, tenho grande interesse nisso. Os destinos são difíceis de encontrar.

informações
Isidore Haiblum, Intermundo
tí­tulo original: Interworld
tradução: Elsa T. S. Vieira
editor: Editora Livros do Brasil, Mai. 2004, Lisboa
directamente da página 121 e da página 135
isbn: 972-38-2703-4

Anúncios

deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s