helliconia

Standard

The central character is not any person but the planet itself and its science, particularly in the light of James Lovelock’s Gaia Hypothesis. The books describe realistic and credible details of the planet from the perspectives of a great variety of fields of study – astronomy, geology, climatology, geobiology, microbiology, religion, society, and many others – for which Aldiss gained the help of many Oxford academics. Connections are drawn which show numerous ways in which these aspects of life affect each other.

The books are set in the real universe, some six thousand years in the future. A space station from Earth, the Avernus, is orbiting Helliconia and closely observing the planet, including the activities of its intelligent inhabitants. The temptation to interfere in Helliconian affairs is a recurring dilemma for the inhabitants of Avernus.

Helliconia has a very long year, equivalent to some 2500 Earth years, and global temperatures vary greatly over the year. A major theme of the trilogy is the fragility of human civilization in the context of environmental changes, and the ability of humanity to preserve and recreate civilization.

Helliconia is populated by two intelligent races, humans and phagors. The humans are actually not the same species as Earth humans but a species that is remarkably similar. This can be regarded as a combination of coincidence, convergent evolution, and artistic licence.

from wikipedia

Comecei esta semana a ler o primeiro volume da Trilogia de Helliconia, publicado em Portugal pela editora “Livros do Brasil“.
Devo dizer que não gosto especialmente de livros que me envolvem numa personagem, que aprendi a gostar, e que no volume seguinte já não existe porque é dado um enorme salto de gerações.

Espero desta vez não ficar desiludido. Vem-me à memória duas leituras recentes:
– Estrelas Semeadas de James Blish, que acabei, mas ligeiramente aborrecido
– Máquinas Infernais, o terceiro livro de uma trilogia, editado pela Editora Presença, que tem a sua leitura suspensa: Não me cativaram os “20 anos depois

Não esqueço que Brian Aldiss é um mestre a contar histórias e por isso, talvez, não deve ficar preocupado. E ainda recordo o prazer da leitura de Cryptozoic e The Malacia Tapestry.

Anúncios

One thought on “helliconia

  1. paulo brito

    Estou preocupado. Li o primeiro de 1/2 volume (a editora dividiu o primeiro volume em dois) e gostei apenas da primeira parte.

    Gostar

deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s