sons of man

Fixo

O meu livro Sons of Man já está disponível para compra. É editado pela Black Scat Books; com prefácio de Mercie Pedro e Silva.


Nota de lançamento.
Esqueçam a Mona Lisa, o tema da pintura clássica de René Magritte, Le fils de l’homme (1964), foi transformado em um icónico everyman  – forçado a enfrentar as forças da vida contemporânea.

O artista português Paulo Brito reanima a misteriosa figura numa série de colagens satíricas que não esquecerá em breve.

O futuro do Dada está aqui!

Clique aqui para o comprar (MagCould)


Após me pedirem uma solução de compra para residentes em Portugal informo que o pagamento pode ser feito por transferência bancária:
contacte para mais informações sons.of.man@outlook.pt

at least this

Standard

The thing about heads is that they never shut up. Separated from their bodies, it’s as if their minds and tongues have been liberated. Without bodies, brains feel no shame in endless banter, in expressing every little random thought. It’s really quite rude.

from The Oz Suite by Gerard Houarner

galo de barcelos no panteão nacional

Standard

No porta VIII descobrimos em primeira mão que o Galo de Barcelos vai ser transladado para o Panteão Nacional. Os grupos parlamentares PSD, CDS-PP, PS, PCP, BE e “Os Verdes” aprovarão a 13 de Setembro por unanimidade conceder esta honra. O PAN irá contestar esta decisão porque e segundo palavras do seu porta-voz “muito antes do Galo temos o Leitão da Bairrada.”

O percurso irá começar nas ruínas do Paço dos Condes de Barcelos, e irá até ao Panteão Nacional. No Panteão, a RTP emitirá a cerimónia de concessão de honras.

A história e a carreira do “Galo”
O Galo filho de mãe incerta e de pai incógnito desde pequeno revelou uma enorme sagacidade. A sua perspicácia transportou-o mais assado do que assim para a mesa de um ilustre magistrado. Aí ergueu-se majestoso proclamando a inocência de um galego.

Mais tarde, depois do Galo ter percorrido meia Europa em digressões de ventriloquismo, regressou à terra que o viu assar. Faleceu com trinta e dois anos. Numa cerimónia modesta foi enterrado aos pés do Cruzeiro do Galo.

Encomende AGORA a máscara comemorativa.

paulo, galo

Eu já estou preparado para a ocasião.

rios gigantes, desertos gelados, taiga sem limites

Standard

Rios gigantes, desertos gelados, taiga sem limites, temperaturas extremas: na Sibéria, a geografia é de uma grande rudeza. A história também, pois fez dela a terra dos condenados e dos deportados, um dos nomes da Dor do século XX. E no entanto é possível encontrar um encanto secreto nesta parte do mundo, que tão bem materializa o velho termo solidão, e que é uma espécie de alto-mar em terra. Foi o que me aconteceu.

Sibéria por Olivier Rolin

eu temo o dia em que a tecnologia ultrapassar a interactividade humana

Standard

Eu temo o dia em que a tecnologia ultrapassar a interactividade humana.

Não existem registos de que Albert Einstein alguma vez tenha dito isto.

Nem no livro, The Ultimate Quotable Einstein, Edited by Alice Calaprice, Princeton University Press, Princeton, New Jersey (2010), a citação aparece.
É um boato que vai ser perpetuado ad nauseam porque fica bem.

i wrote you a beautiful poem

fantasmas
Standard

Thanks to the amazing Tseng Lan Hui I have my poem translated…

English version:
l wrote you a beautiful poem
that I tore in pieces.
You can possess my body,
But never the soul.

Chinese version:
我寫你一個美麗的詩
我撕毀了成小塊。
你可以擁有我的身體,
但從來沒有靈魂。

coisas de julho, 2017

livros
Standard

As leituras de alguns fins-de-semana e não só.

Um pouco de banda desenhada:

  • Mulher-Maravilha: Um por todos de Christopher Moeller – segundo volume da colecção Mulher-Maravilha da Levoir/Público. Uma história muito mais divertida do que a do primeiro volume.
  • Ronin de Frank Miller – já lido na edição brasileira. Contente por ter esta maravilha artística num excelente álbum. Infelizmente na lombada o Ronin foi baptizado de Ronnie.
  • Velvet #1 de Ed Brubaker e Steve Epting – relido para mergulhar sem complicação nos restantes álbuns.
  • Velvet #2 de Ed Brubaker e Steve Epting – excelente ao quadrado.
  • Velvet #3 de Ed Brubaker e Steve Epting – excelente ao cubo.
  • Homem-Aranha: Exposição Negativa de Brian K. Vaughan e Staz Johnson – outra adorável leitura.
  • Batman, Uma História Verdadeira de Paul Dini e Eduardo Risso – muito boa.
  • Hulk: Guerra Mundial de Greg Pak e John Romita, Jr. – poderosa. Adorei.
  • Mulher-Maravilha: A Hiketeia de Greg Rucka e J. G. Jones – muito bom
  • Mulher-Maravilha: Homens e Deuses de George Pérez, Greg Potter e Len Wein – excelente
  • Mulher-Maravilha: Deuses de Gotham de Phil Jimenez e J. M. De Matteis – adorei. De uma forma geral foi uma colecção agradável.
  • Sonhos Maus / A Cidade das Águas Movediças de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières – primeiro volume da colecção Valérian e Laureline. Foi uma deliciosa releitura.

Outras coisas mais.

  • A Varanda do Frangipani de Mia Couto
  • O Tango da Velha Guarda de Arturo Pérez-Reverte
  • O Francoatirador Paciente de Arturo Pérez-Reverte
  • Poe Uma Vida Abreviada de Peter Ackroyd – surpreendente.
  • À Luz do Que Sabemos de Zia Haider Rahman – um livro magistral. A Grande leitura de Julho.

tal como a natureza abomina o vácuo

Standard

Tal como a natureza abomina o vácuo, os homens abominam o vácuo da História, a descontinuidade forjada pelo imprevisto, de modo que vão atrás e preenchem-no, vão atrás e tentam perceber como aconteceu, tentam identificar aquilo que não viram antes, aquilo para que foram cegos e que agora veem na perfeição. Voltamos atrás e revimos o nosso entendimento do mundo, com o benefício de termos participado no próprio acontecimento.

de À Luz do Que Sabemos de Zia Haider Rahman (páginas 180 e 181